PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

quarta-feira, 4 de março de 2015

UM ORATÓRIO EM CASA? QUE TAL UMA GRUTA-ORATÓRIO EM SEU JARDIM? (VEJA COMO FAZER A CAPELINHA)

Passo a passo para fazer uma gruta oratório em seu jardim.Como fazer uma gruta no seu jardim. Como fazer um oratório

 Há muitos anos recebi de minha sogra algumas imagens, para a proteção de nossa casa. 
O tempo passou e elas tinham seu cantinho em casa, para oração. Depois foram guardadas em uma caixinha.
O tempo, o verde e algumas conchinhas farão o acabamento
Minha sogra faleceu há doze anos e queria um espaço especial para abrigá-las.
Então tive a ideia de construir uma gruta. Uma gruta de verdade, como uma capela.
Escolhi, então, um...(clique em "mais informações" para ler mais)
espaço, ao lado do jardim tropical.
Os meses foram passando e outras prioridades surgiram.
Nas últimas semanas, entretanto, demos mãos à obra e a gruta, que durante meses não passou de apenas uma base feita com blocos de cimento, ganhou forma. Com uma placa de compensado, formamos o teto, amarrado com barras de ferro e tela de galinheiro. Pedras de rio de diversos tamanhos a revestiram e, à frente, um genuflexório feito de uma viga (protegida das intempéries com óleo de peroba), deram cor e vida àquilo que era, até então, apenas um plano.
Há, como as fotos revelam, duas floreiras à frente, que abrigam um jasmim de madagascar, diversas azaleias e onze horas.
As flores que também ganhei servem de pano de fundo. Também está lá, guardadinha, a oração recitada todas as manhãs pela minha avó Quina, agora em pergaminho (leia, a propósito, Maria Joaquina Bargas Perez, em http://mg-perez.blogspot.com.br/2007/09/maria-joaquina-vargas-perez.html).
A parede ao fundo receberá uma pintura, o piso e as paredes internas ainda serão pensadas. Revisto? Esfrego materiais como carvão e tijolos? Detalhes.  
Assim, em honra aos antepassados, em agradecimento aos presentes e ausentes, conseguimos edificar uma pequena obra, para agradar os olhos e iluminar nossos caminhos.
Acredite, desacredite, não importa.
O que importa é que nossa gruta, integrada ao verde, é um pedacinho de nossa história, da fé, da vida e da esperança que vive, independente da matéria.
Por falar em tempo: ele se encarregará de tornar a gruta mais e mais natural, conforme brotem musgos e samambaias, cresçam as plantas ao redor e o desenvolver das flores plantadas nos canteiros. 
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Respeite o direito autoral.
Gostou? Faça uma visita aos blogs. É só clicar nos links:
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.
Um abraço!
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week! 
Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG