PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

segunda-feira, 11 de abril de 2016

MOFO, MARESIA: SAIBA COMO ACABAR COM ESSA PRAGA

"Minha praia" sempre foi a capital ou o interior. Realizei o sonho de morar em uma bela cidade litorânea. Entretanto, o preço a pagar, em comum com meus vizinhos, é a luta contra um inimigo comum: a maresia. Como acabar com os sinais da maresia nas paredes?
Tenho casa em Itanhaém há três anos. Foi o suficiente para ver surgir os primeiros sintomas da umidade - e temer pelos efeitos por ela produzidos: manchas, limo, negrume, a deterioração do reboco.
Pedreiro já contratado, incluímos no pacote a aplicação do impermeabilizante Bautech. Não sei se por imperícia do aplicador (que foi negligente em tudo o...

COMO REFOGAR COUVE (E ESPINAFRE, ALMEIRÃO, QUALQUER VERDURA): A MELHOR COUVE DO MUNDO. E A PIOR

Como eu refogava couve?
Azeite, alho, talvez cebola picadinha e, ao gosto do freguês, bacon. Uma dourada e jogava a couve. 
Enquanto refogava, saia um monte de água que depois esperava secar, ao sabor do fogo. Pronto. Era servir.
Foi assim até o dia em que um ex perguntou o que eu estava fazendo. Refogando couve, é claro.
Tudo errado. Eu não refogava couve. Matava a verdura. Era a pior couve do mundo e eu não sabia.
Depois do aprendido, a receita é outra.
Vamos, mais uma vez, agora da maneira certa:
Azeite, alho, talvez cebola picadinha e, ao gosto do freguês, bacon (se incluir o bacon, ele vem primeiro, né?). Uma dourada e... aí está o segredo para a couve mais suculenta do mundo:
Quando os temperos estiverem...

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG