PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

terça-feira, 1 de outubro de 2013

É NOITE. VEM. VOU.

É noite. 
Agora, lua e estrelas no céu.
A cidade inicia o repouso, 
À luz de lâmpadas fluorescentes.
Meus olhos começam a pesar.
O sono - que pode tardar -
Anuncia sua presença.
Sem pesar, penso no descanso
Necessário e merecido
Para um novo acordar.
Pronta, mais uma vez
A um novo trabalhar.
É noite.
Nos becos, os gatos caçam;
Nas ruas, os gatunos rondam;
Em casa, a cama chama.
Vejo o livro, na cabeceira,
O convite pronto
O chamado: "Vem".
Vou.

Seja leal. Respeite os direitos autorais: se reproduzir, cite a fonte.

Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week!
Comente, divulgue, assine. Será sempre bem recebido!
Conheça mais. Faça uma visita aos blogs disponíveis no perfil: artigos e anotações sobre questões de Direito, dúvidas sobre Português, poemas e crônicas ("causos"): https://plus.google.com/100044718118725455450/about.
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.

Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ.

O CURSO DE DATILOGRAFIA E PARA QUE SERVEM OS SINAIS NAS TECLAS "EFE" E "JOTA"





Após assistir o filme "A Datilógrafa" (imagem acima) - deliciosa comédia romântica dirigida por Regis Rinsard e protagonizado por Déborah François Romain Duris - pensei em comentar algo sobre os cursos de datilografia, obrigatórios há algumas décadas. Aliás, para um emprego em escritório era requisito necessário.


Depois da postagem do José Márcio Sousa, de hoje, me decidi.


 

Quando tinha quinze anos, como as garotas de minha época, fiz um curso de datilografia. No Senac. Atravessava a cidade para cursá-lo, duas vezes por semana (o curso era ministrado no estabelecimento da Avenida Tiradentes, em São Paulo). A opção pelo Senac foi natural: minha mãe também fez o mesmo curso, na mesma instituição de ensino. Excelente!

Para quem não sabe, um bom datilógrafo consegue escrever a uma velocidade impressionante (média de cem palavras por minuto). Bem, isso não se consegue sem tenacidade. 


No início do curso, que não separava os mais adiantados dos recém-chegados, uma sensação de incapacidade me invadiu, pois enquanto eu dedilhava, sem força nos mindinhos, o a-s-d-f-g, ç-l-k-j-h, o colega ao lado desfiava todo o abecedário, em segundos.

Portanto, a primeira etapa a ser vencida não foi a teimosia dos dedos e o associar o nome às teclas, mas ignorar o rapidinho e me concentrar na minha máquina. 

Havia um detalhe importante: as teclas eram cobertas com uma borracha, que não permitia ao aluno saber a posição das letras no teclado. Um imenso painel reproduzindo as teclas, na parede à frente, dirigia nossos olhares, para a ordenação dos dedos.

A-s-d-f-g, ç-l-k-j-h. Uma folha inteira. Outra. Mais uma.

Vencida a primeira etapa, asa, adaga, ja, aga, asada. Depois a linha superior: q-w-e-r-t, p-o-i-u-y, e estávamos, depois de folhas e folhas preenchidas, prontos para novas palavras. O processo levava dias, pois a função do curso era a de interiorizar o conceito, tornar a prática uma coisa automática.

Depois do curso básico, o de velocidade: digitar textos na maior velocidade possível, sem se preocupar com os erros. Aos poucos, eles diminuiriam. O objetivo? Claro, alcançar velocidade na digitação. Funciona.

Deu tão certo que digito, até hoje, sem olhar o teclado, com grande precisão e velocidade. Isso é natural, pois mesmo que um datilógrafo fique muito tempo sem digitar, ao se sentar à frente de um teclado automaticamente produzirá qualquer texto, com rapidez.

Depois da máquinas elétricas, que com a fita corretiva "perdoaram" o errar, surgiu o computador e a arte de datilografar ficou em segundo plano. Hoje a maioria "cata milho" e perde tempo - muito tempo - para se comunicar, diante de um computador. As funções do computador passaram a ser mais importantes do que as do teclado.

Por falar em teclado, sabe para o que servem os sinaizinhos em relevo na teclas "efe" e "jota"? Sinta-os.

Um computador possui o teclado exatamente igual ao das máquinas de escrever. A intenção do fabricante, ao colocar os sinais, é a de indicar, para aqueles que escrevem com todos os dedos (os datilógrafos), a posição das teclas. 

Por melhor que você seja, digitando, se "perder a mão" (posicionar uma das mãos de forma errada), perde o texto. 

Pois bem: as mãos devem repousar no teclado: a mão esquerda, à esquerda, com o indicador pousado no "efe"; a mão direita, à direita, com o indicador no "j". Quando se escreve, não se "pensa" nas teclas. Simplesmente se escreve. Assim, com as mãos posicionadas, é possível escrever olhando para trás, para o lado, para qualquer lugar. Sem exagero.

Por consequência, se uma pessoa com deficiência visual se sentar à frente de um computador ou máquina de escrever não terá dificuldades para digitar um texto, pois com o tato identificará o teclado.


Seja leal. Respeite os direitos autorais: se reproduzir, cite a fonte.

Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week!
Comente, divulgue, assine. Será sempre bem recebido!
Conheça mais. Faça uma visita aos blogs disponíveis no perfil: artigos e anotações sobre questões de Direito, dúvidas sobre Português, poemas e crônicas ("causos"): https://plus.google.com/100044718118725455450/about.
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.

Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG