PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

RECEITA DE TACACÁ

Recebemos esta receita do Charles Michel Ressel, no curso Docência Online, patrocinado pelo CNJ e tutoriado pela nossa grande Rosa Maria Alves Chichorro.
Para compensar a ausência física, interagimos, desde o início, nos conhecendo, no espaço Café com Prosa (cafezinho, tacacá, açaí, chimarrão, tapioca...).

Tacacá é um prato típico da região norte, cuja receita é:

Ingredientes da Receita de Tacacá

2 litros de tucupi
4 dentes de alho
Chicória
Alfavaca
1 colher de chá de sal
4 pimentas de cheiro
2 maços de jambu
1/2 kg de camarão salgado (seco)
1/2 xícara de goma de mandioca
Pimenta de cheiro

Como Fazer Tacacá

Modo de Preparo:
Coloque em uma panela o tucupí, tempere com alho, chicória, alfavaca e sal, leve ao fogo e deixe levantar fervura. Baixe o fogo, tampe a panela e deixe cozinhar por 30 minutos.
Cozinhe o jambu em água quente, até que os talos fiquem macios, retire, escorra e reserve.
Retire a cabeça do camarão e deixe de molho em uma vasilha com água para retirar o sal.
Ferva 4 xícaras de água com sal a gosto, dissolva a goma em uma vasilha com água fria, acrescente ao poucos na água fervendo, até ficar um mingau grosso.
Sirva em uma cuia nesta sequência: duas colher de sopa de tucupi, uma concha de goma, uma concha de tucupi, algumas folhas de jambu e 5 camarões, sal e pimenta a gosto.
Na falta da goma de mandioca pode ser usado o polvilho azedo.
Seja leal. Respeite os direitos autorais: se reproduzir, cite a fonte.

Conheça mais. Faça uma visita aos blogs disponíveis no perfil: artigos e anotações sobre questões de Direito, dúvidas sobre Português, poemas e crônicas ("causos"): https://plus.google.com/100044718118725455450/about.
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.

Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ.

CAPUCCINO DE CHOCOLATE

No final de dezembro participei do curso Docência Online, pelo CNJ, tutoriado pela nossa grande (e presente, dedicada e incrível) Rosa Maria Alves Chichorro.
Para compensar a ausência física, interagimos, desde o início, nos conhecendo, no espaço Café com Prosa (cafezinho, tacacá, açaí, chimarrão, tapioca...).
É claro: aproveitando a aproximação, trocamos receitas. Uma delas, enviada pela aluna Joselaine Carvalho, do TJGO (a Josi), fez sucesso, em casa: o capuccino de chocolate. Fácil de fazer e cremoso, rende muito.

CAPUCCINO DE CHOCOLATE
1 lata de leite em pó
1/4 da lata de açúcar
100g de café solúvel em pó
2 colheres de sopa de bicarbonato de sódio
3 colheres de sopa achocolatado em pó
1 colher de sopa de canela (se gostar)

Inicialmente, despeje o leite em um refratário. Após, acrescente o café em pó e misture até ficar homogêneo. Coloque então os demais ingredientes, sempre misturando bem antes de adicionar o seguinte.
Sirva com leite ou água quente.
Rende bastante e dura meses... mas você pode dividir com a família ou amigos.

Dicas: 
1. Capuccino com amendoim torrado ou chantily fica uma delícia!!! 
2. Se estiver de dieta, utilize leite em pó desnatado e chocolate light.

Seja leal. Respeite os direitos autorais: se reproduzir, cite a fonte.

Conheça mais. Faça uma visita aos blogs disponíveis no perfil: artigos e anotações sobre questões de Direito, dúvidas sobre Português, poemas e crônicas ("causos"): https://plus.google.com/100044718118725455450/about.
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.


Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ.

CACHEPOTS FEITOS COM ESTEIRINHAS DE BAMBU


Estes cachepots foram feitos com aquelas pequenas esteirinhas de bambu, utilizadas como jogos americanos.
As esteiras, se podem ser cortadas para trabalhos pequenos, como estes, podem ser usadas inteiras ou ainda emendadas. 
Se a imaginação não tem limites, o material presta-se a inúmeras adaptações: uma cortina de esteirinhas de madeira entremeada de conchas, uma parede, o tampo de uma mesinha de centro, uma luminária.
Com ou sem acabamento (verniz ou tinta), o resultado pode ser incrível, requerendo apenas um pouco de cola e criatividade.

Seja leal. Respeite os direitos autorais: se reproduzir, cite a fonte.

Conheça mais. Faça uma visita aos blogs disponíveis no perfil: artigos e anotações sobre questões de Direito, dúvidas sobre Português, poemas e crônicas ("causos"): https://plus.google.com/100044718118725455450/about.
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.


Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG