PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

quinta-feira, 27 de junho de 2013

OBRIGADA, DOUTOR!

Amanhã, 27 de junho de 2013, é o último dia em que conviveremos com um juiz diferente, um juiz investigativo, com o qual tive a grata felicidade de partilhar meus dias e auxiliar, por seis meses.
O Dr. Alberto Gibin Villela chegou ao Juizado Especial Cível do Ipiranga como Juiz Auxiliar da Capital. Aos poucos, imprimiu seu ritmo, ágil, dinâmico e pragmático. O sentido de sua judicatura foi a de um juiz titular e não o de alguém que apenas preenchia o tempo até que o efetivo ocupasse uma vaga.
Eliminou procedimentos desnecessários e agiu com o rigor necessário, quando a situação o exigia. A consequência? 
Há maior fôlego para os serventuários, pois as prateleiras exibem boa folga entre os processos. As mesas, com menor número de processos a dar andamento, são melhor administráveis. 
As audiências, elevadas em número, em relação às que o juiz anterior presidia, diariamente, eram processadas concomitantemente com pesquisas na rede mundial de computadores. 
Ele mesmo dirigia o gravador de vídeo para que as imagens tivessem a melhor dinâmica, pois poderiam ser utilizados no Colégio Recursal (ele faz parte do Colégio da Penha). Ao mesmo tempo, investigava: SCPC, Receita Federal, Detran, Junta Comercial, processos cíveis ou criminais. Tanto autor como réu, se mentisse, era a peta desvendada: 
"O senhor tem carro?"
"O senhor não tem mais apontamentos em seu nome?"
"O senhor nunca morou na Rua Adrômeda nº 166?"
"O senhor tem multas por excesso de velocidade?"
Utilizou-se do telefone, para checar informações.
Fazia mais: durante as audiências, que encerravam-se invariavelmente com uma sentença, despachava, nos minutos poucos e intervalados que pudesse obter para os demais processos. Se ainda assim não tivesse examinado todos, ficava até mais tarde. Às vezes, bem mais tarde (neste final de semana, levou um carrinho de mão cheio de processo para casa).
Nada, entretanto,
de atropelo: chegava cedo, examinava com atenção os processos nos quais presidiria audiências. Se o caso, antecipadamente fazia suas consultas.
Com tanta dedicação, angariou fãs, tanto entre autores e seus advogados, como ente os réus e seus patronos. Também estagiários assíduos e advogados dativos, que ficavam até a última audiência para ouvi-lo, vê-lo trabalhar, com interesse concentrado. 
"O senhor está dispensado."
"Vou ficar até o fim. Quero assistir as audiências."
"Sinta-se à vontade!"
Sequer mandados de levantamento assinou sem antes ter os volumes em mãos e folheá-los, averiguando, conferindo, deixando bilhetinhos e devolvendo os processos para os escreventes.
Prepostos são prepostos. Deveriam então ter demonstrados seus poderes e a cadeia até eles. Sem prazo para juntada, pois sairiam da sala com a decisão proferida. Admitiria a comprovação posterior, no entanto, se houvesse acordo - por que não?
Tinha em seu sangue a efervescência dos jovens, que sonham deixar sua marca no mundo. Com razão. Se ao juiz, em especial o do Juizado Especial Cível, não é dado julgar com efeitos pedagógicos, para que concessionárias de telefonia, construtoras, TVs a cabo, companhias de aviação, instituições bancárias, sites de vendas pela internet, escolas de línguas e de informática (que são muitas, em verdade, meras vendedoras de livros com promessas vazias de estágio, bolsa de estudos e emprego garantido) e quetais atendam os preceitos do Código de Defesa do Consumidor, respeitem o cliente e mantenham canais que resolvam problemas, ao invés de criá-los, para que serve o Judiciário?
Se não tivermos danos morais julgados em patamar mais elevado, sempre valerá a pena ludibriar o consumidor, cobrá-lo pelo que não deve, negativar seu nome indevidamente, extraviar suas bagagens, não lhe entregar o que adquire. Afinal, quem é mesmo o consumidor?
É aquele a quem a Constituição protege, desde 1988, e o CDC, há vinte anos. Ou teriam eles a função de proteger.
Se quisermos o atendimento de primeiro mundo, é o Judiciário quem deve mudar, primeiro: penalizando as más instituições, que atendem mal e negligenciam a administração de seus serviços. Para que contratem melhores funcionários e atendam de forma digna o consumidor. Esta é a bandeira de nosso juiz. Que fará falta e deixará saudades, entre tantos admiradores. Muitas.
Entretanto, deve ele tomar seu rumo, traçar seu destino, porque é necessário. Aqui e ali, acolá e além. 
Porque sua mesa, ao final do dia, está limpa e seu trabalho decentemente feito. Honradamente feito. 
Aliás, Doutor, foi uma honra servi-lo. 

Comente, divulgue, assine. Será sempre bem recebido!
Conheça mais. Faça uma visita aos blogs disponíveis no perfil: artigos e anotações sobre questões de Direito, Português, poemas e crônicas ("causos"): http://www.blogger.com/profile/14087164358419572567.
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.


Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ.

Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG