PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

DICAS SOBRE GRAMADOS, FORRAÇÕES E JARDINS. DÁDIVAS QUE ENCONTRAMOS PELOS CAMINHOS (E DESPREZAMOS)

Tanto os gramados como as forrações prestam-se a dar uniformidade ao terreno, em áreas externas.

GRAMADOS
Você pode ter um gramado, ou com ele destacar algumas árvores ou plantas. Pode, também, optar por forrações. Quem jamais ouviu que o gramado do vizinho é sempre mais verde? Pois é.
Os gramados são em geral adquiridos em placas ou rolos e deve-se ter em conta, na hora da escolha da espécie de gramínea, o efeito estético, as características do solo, iluminação e umidade, além do pisoteio a que ele será exposto.
As espécies mais utilizadas para gramados extensos, no Brasil, são as gramas esmeralda (Zoysia japonica), são-carlos (Axonopus compressus) e santo-agostinho (Stenotaphrum secundatum). Para áreas de poucos metros quadrados, além das já citadas, temos as gramas preta e amendoim. O terreno deve ser previamente preparado: nivelado, corrigida sua acidez, eliminadas ervas daninhas e insetos e o fornecedor deve garantir a boa procedência do produto.

Grama preta


Grama amendoim


De toda forma,um gramado somente é bonito aparado (e varrido, vigorosamente), adubado e tratado. Portanto, esqueça a ideia de que basta plantar e terá um espaço maravilhoso. As ervas daninhas crescerão entre o gramado e será necessário arrancá-las, bem como será preciso aparar a grama. Será necessária também a rega e, com alguma frequência, a adubação (ao menos uma vez ao ano).
Se desejar flores e grama, utilize-se do separador de grama. É uma placa, feita de plástico - e disponível nas lojas que vendem produtos para jardinagem -, para impedir que o gramado avance sobre as outras plantas, abafando-as. Com o separador é possível fazer desenhos, geométricos ou orgânicos, que podem valorizar o jardim.

FORRAÇÕES

Com flores delicadas, o jardim inglês é facilmente encontrado nas rachaduras das calçadas, em São Paulo, ou entre calçadas e casas. 

Um jardim não é um amontoado de plantas e flores. É preciso saber combinar, valorizar cada espécie. 
Uma máxima que utilizo é: se você tem em casa a flor (ou planta) mais linda do mundo, em meio a um colorido irracional, ela se perde, não existe. Se, por outro lado, você destacar um simples trevo em um vasinho ou floreira, ele será um encanto.
Portanto, o trabalho de se confeccionar um jardim leva em conta a textura, as cores, o realce de cada espécie.
Se não quiser se dar o trabalho de planejar, crie uma área de destaque para algumas poucas plantas, que realcem a beleza de cada uma e, ao seu redor, tenha uma forração que harmonize com as eleitas. 
Nos jardins é possível optar por espécies não usuais para forração, facilmente adaptáveis e que requerem pouco trabalho. Em geral, não são resistentes ao pisoteio. Portanto, se optar por utilizá-las, use também placas (de pedra ou cimento) para formar um caminho.
Cultivo um gramado e tenho diversos jardins, valorizados por forrações. Estas colhi pelo caminho e as reproduzi, depois, em um canteiro. Depois de plantadas, ao redor de minhas favoritas, cultivadas em floreiras feitas em diversos planos, consegui criar um efeito deslumbrante (leia, a propósito, 

FLOREIRAS EM DEGRAUS, CONFECCIONADAS COM PEDRAS OU ENTULHO: CONFIRA OS RESULTADOS (RESULTADOS: PARTE II)).

Nas calçadas por onde anda, com certeza deve ter deparado com algumas delas. E, como é usual, sequer ter reparado.

Além das que exponho aqui, existem outras espécies também delicadas e apropriadas a forrações, como o dinheiro em penca, além de mais outras, que sequer sei o nome. 
Postarei, adiante, mais fotos. Quem sabe você não se encanta com os presentes que pode colher pelo caminho?


 















Vidrilho e jardim inglês.




Seja leal. Respeite os direitos autorais: se reproduzir, cite a fonte.

Conheça mais. Faça uma visita aos blogs disponíveis no perfil: artigos e anotações sobre questões de Direito, dúvidas sobre Português, poemas e crônicas ("causos"): https://plus.google.com/100044718118725455450/about.
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.

Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ.

Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG