PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

domingo, 27 de novembro de 2016

CADA UM EM SEU QUADRADO

"Cada um no seu quadrado".

Um mantra?
Talvez. 
Há quem, por falta de imaginação ou insegurança, repita: "Cada um no seu quadrado".
Não se arrisca em novos caminhos e tem medo de olhares novos sobre o que fazem. Mesmo que sejam os seus. 
Falar sobre o que não se sabe é arriscado, tanto quanto fechar-se naquilo que...

"Cada um em seu quadrado".

Um mantra?
Talvez. 
Há quem, por falta de imaginação ou insegurança, repita: "Cada um no seu quadrado".
Não se arrisca em novos caminhos e tem medo de olhares novos sobre o que fazem. Mesmo que sejam os seus (olhos). 
Falar sobre o que não se sabe é arriscado, tanto quanto fechar-se naquilo que se faz.
Colho, da vida, exemplos de uns e outros, mas vou ilustrar duas situações.

Primeiro: o olhar do não profissional sobre a profissão alheia é, em geral, preconceituoso.

Certa vez uma professora (na faculdade de Direito) comentava sobre os arquitetos - claro, com superficialidade. Como se fossem fúteis e desnecessários. 
Errado. E digo porque frequentei, tempos antes, a faculdade de Arquitetura. O (bom) arquiteto é aquele que sente a obra, no lugar daquele que vai nela morar, viver, trabalhar. Sente cada espaço, parede, vão. 
Esse "sentir" do arquiteto pode economizar luzes, troca de janelas e paredes de lugar e reformas futuras, além de cuidar da salubridade do imóvel. Daí ter questionado, na época, porque o profissional não é mais popular. 
Afinal, é o pobre que constrói errado, com parcas economias. Mais tarde vê um erro, reforma; vê outro, reforma mais uma vez. Ao final, a obra sai mais cara do que se tivesse contratado alguém para orientá-lo.
Visão distorcida tive, também, dos advogados, quando trabalhava com contabilidade. O que não significa que profissionais de Direito (advogados, juízes, promotores) sejam pessoas do bem.
Há pessoas e pessoas, em todas as profissões, sem exceção.

A segunda situação é a do profissional que acha que está sempre mais certo porque fala do que conhece e estudou.

Será que é assim mesmo?
O quadrado, neste caso, serve de proteção. Porque aquele que vê de fora, sem os limites impostos pela vida e o condicionamento, consegue ver além, sem filtros.


GOSTOU? COMPARTILHE. NÃO GOSTOU? COMENTE. SEMPRE É POSSÍVEL MELHORAR

Exemplos?
Também da arquitetura: o selim da bicicleta. "Selim" seria o diminutivo de sela - de cavalo. 
A sela serve bem, mas o selim não é - no modelo tradicional - anatômico, porque é uma mera adaptação.
E foi alguém de fora, que não tem nada a ver com design, engenharia ou medicina, que pensou no selim com aquele corte no meio, melhor para os ciclistas masculinos (saiba mais clicando em VIRTUAL OU PRESENCIAL?)
Outro exemplo, que garantem verídico: em uma fábrica de creme dental, discutiam como fazer o consumidor gastar mais pasta.
A reunião seguia sem conclusão até que a moça do cafezinho fez um aparte: "Por que vocês não fazem um buraco maior?"
Tá aí! Era o eureka que faltava, mas que os senhores gerentes e diretores não viam.
Bastou abrir o buraco por onde sai o creme dental para que o consumo crescesse mais de 20%. Imediatamente. 
Outras fábricas (é claro) copiaram a ideia e hoje ninguém lembra como era a embalagem antiga.
A moça do cafezinho ganhou alguma coisa com isso?
Não sei. Tomara que sim. Mereceu.

Falo então de experiências. Do que estudei - formal ou informalmente -, do que vivenciei, do que me der na telha.
Arrisco, experimento, erro, aprendo, faço de novo, até acertar (o que é sempre uma alegria). E compartilho.
Porque este é o meu quadrado.
Beijinho.

Escreva, comente. Se para elogiar, obrigada. Mas posso ter pecado e truncado o texto, cometido algum erro ou deslize (não seria a primeira vez). Comentando ajudará a mim e àqueles que lerão o texto depois de você. Culpa minha, eu sei. Por isso me redimo, agradeço e tentarei ser melhor, da próxima vez. 


 Obrigada pela visita!

QUER RECEBER DICAS? SIGA O BLOG. 

SEJA LEAL. NÃO COPIE, COMPARTILHE.
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Respeite o direito autoral.
Gostou? Clique, visite os blogs, comente. É só acessar:

VERDEGLÓRIA TERRÁRIOS, ARTESANATO E PRESENTES

BELA ITANHAÉM

TROCANDO EM MIÚDOS

"CAUSOS": COLEGAS, AMIGOS, PROFESSORES

GRAMÁTICA E QUESTÕES VERNÁCULAS
PRODUÇÃO JURÍDICA
JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (O JUIZADO DE PEQUENAS CAUSAS)

e os mais, na coluna ao lado. Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.
Um abraço!
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week! 

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches
Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG