PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

segunda-feira, 17 de junho de 2013

MARCADO NA AGENDA: 15 E 16 DE JUNHO. OU: OS PRODUTOS ELETRÔNICOS NÃO SÃO MAIS CONFIÁVEIS


Com o avanço da tecnologia, seria de se esperar que os produtos eletrônicos tornar-se-iam melhores e mais confiáveis. Não é o que acontece.
Como precisássemos reparar a caixa de disjuntores, chamamos um técnico da Porto Seguros. No sábado, o rapaz fez o serviço e se foi. Algumas horas depois, meu marido liga o chuveiro e toma um banho gelado (110v: estamos no inverno!). Ele, que é tão friorento!
O técnico é mais uma vez chamado. Desta feita, enquanto examinava a fiação, um curto-circuito queimou nosso rádio-relógio e metade da casa ficou sem luz. Passam-se horas até que o defeito seja sanado.
Tínhamos um compromisso,
marcado à última hora - o aniversário da Elizabeth e da Cristiane, cunhada e nova sobrinha - e precisávamos, antes, comprar os presentes. Tomo meu banho (quente), me preparo rapidamente e passamos no Carrefour, em São Bernardo do Campo, local onde existe uma série de lojas legais.
Adquirimos os presentes e um novo rádio-relógio, da marca Philco. Uma gracinha: parece um pequeno espelho. Prevenida, assim que saio da loja, peço para que testem o produto, no departamento de eletrônica do estabelecimento. Não funciona. Devolvido, a obrigação de encontrar um novo rádio-relógio fica para o dia seguinte.
Ontem, domingo, vamos a um estabelecimento das Casas Bahia. Pode-se escolher: em cada centro comercial há uma rua de destaque. Nela encontramos ao menos duas lojas. O que não há é variedade de modelos dentro da loja escolhida: apenas uma escolha, um modelo da marca Gradiente, também conhecida e confiável. Também bonitinho e fácil de ser manuseado.
Assim que chegamos em casa verificamos que a embalagem foi violada. Não haveria problema se o aparelho funcionasse. Não funciona. 
Tornamos à loja para devolver o produto e fomos informados de que existiam três aparelhos, apenas. Os três eram mercadorias devolvidas, examinadas por técnico próprio e recolocadas à venda. Depois de uma interminável espera, a venda é cancelada e o dinheiro, devolvido. Não sem, antes, perguntar a caixa: "Vocês não gostariam de trocar por outra mercadoria?" Não. Hoje, não.
Na volta para casa, procuramos nas imediações alguma loja aberta, que vendesse um despertador, daqueles antiquados. Não encontramos. Foi bom. Hoje, segunda-feira, acordamos com os relógios instalados em nossos cérebros e funções biológicas, depois de tanto tempo acordando no mesmo horário. 
Antigamente, os rádios-relógios eram confiáveis. O nosso primeiro aparelho nos serviu durante  muitos anos, até que, na solidão da chácara, fosse danificado por um raio que caiu nas proximidades. Lá, não existiam pára-raios. Aqui, com tantos prédios ao redor, ele não seria atingido.
Esqueci de comentar que no domingo trocamos o provedor de internet e instalamos novo aparelho fixo. Precisando de um cabo, adquirimos um novo, no sábado, a caminho do Carrefour, na C & C. 
Como era de se esperar, o cabo - saído da embalagem - não funcionava. O novo problema foi resolvido com o fornecimento, pelo técnico, de um fio, velhinho, de seu estoque.
Alguma lição deve ficar depois de tantas experiências, vividas neste final de semana:
1. os produtos eletrônicos não são mais confiáveis, independente da marca;
2. destaco a data no calendário e na agenda: nunca mais devo fazer compras nos dias 15 e 16 de junho, independentemente do ano.

PS: Pensando melhor, meu marido abandonou a idéia do despertador antiquado e do insistente tique-taque durante a noite. Em uma loja do Magazine Luíza, nesta segunda-feira, encontrou as mesmas duas marcas e optou pelo modelo da Philco (o da foto), que é uma gracinha. Está funcionando. Até quando?

Comente, divulgue, assine. Será sempre bem recebido!
Conheça mais. Faça uma visita aos blogs disponíveis no perfil: artigos e anotações sobre questões de Direito, Português, poemas e crônicas ("causos"): http://www.blogger.com/profile/14087164358419572567.
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.

Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ.












Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG