PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

sábado, 7 de fevereiro de 2015

MULHER QUE LAVAVA CALÇADA SOFRE TENTATIVA DE ATROPELAMENTO

Em Araçatuba (a 527km de São Paulo), em plena crise hídrica (que anuncia uma crise de energia), uma enfermeira de 40 anos lavava sua calçada com mangueira.
Foi então abordada por uma motorista, que a acusou de estar "acabando com a água do mundo".
Diante da indiferença, a motorista avançou com seu veículo e, se aquela não se tivesse desviado rapidamente, teria sido atropelada.
Segundo a enfermeira, ela não estaria desperdiçando água, mas "limpando sua casa".
"Achei um absurdo isso, é preciso deixar as coisas limpas. Eu lavava todo dia, já diminui, hoje são duas vezes por semana. Não estava jogando água fora. E, de
toda forma, não tem nenhum cabimento fazer justiça com as próprias mãos. Se eu tivesse sido atropelada, imagina o que poderia acontecer. Podia até ter morrido, e esse definitivamente não é o caminho", disse.
O caso foi registrado como atropelamento pela Polícia Civil de Araçatuba. Identificada a autoria, a motorista poderá responder por outros crimes, inclusive tentativa de homicídio, se assim for apurado nas investigações.
Parece estar já instalada a era da caça às bruxas. Se a motorista exorbitou, também passou dos limites a enfermeira. É evidente que a motorista poderia discutir ou fotografar o ocorrido e denunciar o abuso; a alegação daquela, de que "não desperdiça água", é ridícula. Poderia, se muito, afirmar que desperdiçava muito mais, todos os dias, e hoje apenas lava a calçada com mangueira apenas duas vezes por semana, o que é claro desperdício e desrespeito a todos que precisam consumir a mesma água (potável!!!).
A enfermeira estava (e está) acabando, sim, com a água do mundo. O que não justifica seu atropelamento, mas que ela pague multas, sempre que lavar a calçada. Que sua água seja definitivamente cortada, para que os demais tenham água para cozinhar, se lavar e limpar suas casas.
Se medidas mais drásticas não forem tomadas contra o desperdício, mais casos de fúria serão registrados, pois se vê que, ainda depois do susto, a enfermeira não se conscientizou da barbaridade que comete, regularmente.  Não é admissível fazer justiça com as próprias mãos, mas o poder público não pode continuar omisso diante da agressão ao meio ambiente.

Fonte: uol

Seja leal. Respeite os direitos autorais. 
Faça uma visita aos blogs. Terei prazer em recebê-lo. Seja um seguidor. Para acompanhar as publicações, clique na caixa “notifique-me”:
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week!

Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG