PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

TWEETY

Tweety nasceu
Como nascem
Os canarinhos.
Voar não sabia
Porque pesado,
Gordinho.

Suas asas,
Fracas, e jamais usadas,
Dois aleijões.
Gaiola de passarinho
De tão pequena
Ele não voa,
Apenas pula.

Veio para o meio
De outros pássaros:
Periquitos,
Agapornis,
Outros canários.
Em um grande viveiro.

Tweety, carinhoso,
Chamava-me
Pela manhã,
À tarde
Ou à noite,
Sempre que passasse
Ou ouvisse minha voz.

Pedia-me
O empoleirar-se
Em meu dedo,
E aprendia a voar.

Primeiras tentativas,
Primeiros tombos.
Mas sempre
O não desistir.

Os outros,
Experientes,
Exibiam seus vôos
Em peripécias
Para indignação
Do pequeno aprendiz.

Aos poucos,
Ganhava alguns músculos,
Em troca das gordurinhas,
Que de todo
Jamais se foram.

Aos poucos,
O doce Tweety
Voava para o meu dedo,
Meus braços e ombros,
Desajeitado.

Para falar comigo,
Olhando-me,
Agradecendo-me,
E mostrar-me
Seus progressos.

Criança Tweety.

Pouco antes
De voltar à cidade
E seus espaços apertados,
Fora-me o amigo.
Breve,
Como breves as delícias.

Ficam-me as lembranças.
E também o conforto
De que o menininho
De olhar doce
Foi, assim como eu,
Feliz
Enquanto nos falávamos
Na língua em que
Somente nós dois
Conhecíamos.

Sabia voar.
Indefeso,
Jamais ganharia
A liberdade plena,
Posto que nascido
De ovo em chocadeira,
Criado em gaiola
Estreita
Até empenar-se.

Mas sabia voar
E agradecer.

Meu amiguinho
Sua vida fugaz
Deixou marcas
E exemplos.
De obstinação,
Coragem,
Gratidão
E de perseverança.
De amizade
E de confiança.

Prova de que
Uma pequena
Bolinha emplumada
De pálido amarelo
É capaz de proezas.

Voou para o céu
Das almas efêmeras
E lembrança eterna.
Meu amiguinho
Vive em mim.


Que os pequenos enviados tenham o poder de transformar vidas.
Que a luz esteja sempre presente.
Que a esperança esteja em nossos corações.
Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG