PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

DE LESMAS E DE ABÓBORAS E DA INVERSÃO DA ORDEM: PRIMEIRO, O FRUTO; DEPOIS, A FLOR.

Lembram-se das "ABÓBORAS AVASSALADORAS"?
Pois bem. Até agora, a aboboreira é avassaladora. Cresceu quinze metros, em pouquíssimo tempo, aproveitando-se da vizinhança com o pé de maracujá, que adubo, assim como todas as fruteiras e o jardim, a cada mudança de estação (10-10-10 e esterco de galinha). Folhas imensas (mais de trinta centímetros de diâmetro, medidos na fita métrica) cobriram minhas flores.
Em duas semanas, cresce além de dois metros, de maneira que é preciso desviar os ramos que avançam sobre os canteiros floridos.
Não vou arrancar o pé apenas porque está no lugar errado. Comeremos as abóboras, suas flores (que ficam uma delícia em uma omelete) e guiarei suas ramas.
O problema é que, apesar da exuberância, as flores não tinham como vingar, gerando frutos, pois pequenas lesmas infestaram a plantação (de um único pé).
Para resolver o problema (que foi efetivamente sanado), preparei duas armadilhas, a base de cerveja: um potinho e uma lata de cerveja, com o líquido e um pouco de sal. Espalhei também sal pelo jardim e derramei um pouco do repelente dentro das flores. Duas semanas depois, as lesmas desapareceram.
Descobri, enfim, que o próprio pé de abóbora havia, também, criado seu mecanismo de defesa. As plantas, como se sabe, são seres vivos, que nascem, crescem, desenvolvem-se, geram frutos e morrem, cada coisa a seu tempo.
Não sei por qual motivo algumas flores nasceram depois dos frutos (até agora apenas três carregam tal característica, as demais desabrocharam normalmente).
De ordinário, uma planta primeiro floresce, para depois gerar seus frutos. Achei tão estranho o comportamento que fotografei e posto aqui.

Já viu coisa igual?


Seja leal. Respeite os direitos autorais: se reproduzir, cite a fonte.

Conheça mais. Faça uma visita aos blogs disponíveis no perfil: artigos e anotações sobre questões de Direito, dúvidas sobre Português, poemas e crônicas ("causos"): https://plus.google.com/100044718118725455450/about.
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.

Maria da Glória Perez Delgado Sanches
Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ.


Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG