PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

VOCÊ JÁ PENSOU EM COMEÇAR TUDO DE NOVO? DAR UM NOVO RUMO À SUA VIDA? Paris, praia ou campo? Ou uma associação de opções?

Há alguns anos, a professora Valéria, na FDSBC, referenciou aqueles que largaram tudo para buscar, em comunidades menores, junto à natureza, melhor qualidade de vida: ainda que os salários sejam menores, a vida pode ser muito mais prazerosa. 
Conheci muitas pessoas que decidiram dar rumo novo às suas vidas, ter melhor qualidade de vida, em... (clique em "mais informações" para ler mais)
busca de um sonho. 
Há o caso de um engenheiro alemão: em visita à Amazônia se apaixonou pelo Brasil. Casou-se com uma nativa (que ele sempre afirmava filha de índia, com ênfase), teve duas filhas, moraram no Rio de Janeiro, a maior parte do tempo em um barco, na marina e, mais tarde, em Ibiúna. Uma das filhas herdou o espírito do pai e praticou navegação no Mediterrâneo durante três anos, quando jovem, mas voltou ao Brasil, onde tem hoje família.
Conheci em Ibiúna um casal de holandeses, em uma bela chácara, e um ex-engenheiro belga, que na meia idade resolveu voltar aos bancos escolares e adotar a advocacia como profissão: entre ser um péssimo engenheiro e um bom advogado, escolhia a segunda opção, paixão de sua vida.
Em Itanhaém, diversas pessoas repensaram a vida a partir do amor pela natureza: o pedreiro, cuja mulher, depois de uma visita à cidade, afirmou que não voltaria para casa; o proprietário de quiosques, que resolveu abandonar São Carlos, depois de tantas idas e vindas; o dono da pizzaria, que fechou a unidade do Ipiranga, em São Paulo, para se dedicar apenas ao estabelecimento na cidade praiana; a recepcionista do hotel, que conheceu a cidade e pediu demissão do emprego em São Paulo, para viver em uma casinha escolhida a dedo, em rua calma, onde o filho pode brincar na rua; aquele de quem comprei o imóvel e os donos da imobiliária que intermediou o negócio.  
Por todo lado encontro aqueles que deram uma guinada na vida, na busca do paraíso, de um mundo ideal para viver: patrões e empregados, comerciantes, prestadores de serviços.
Entre Mongaguá, que perdeu sua personalidade ao abrir caminho às construtoras e seguir como cópia inacabada de Praia Grande, com sua imensa favela a desfilar pela estreita orla; Peruíbe ou Itanhaém, decidimos pela última, penúltima sob a perspectiva geográfica: belas praias, calçadas bem cuidadas, jeito simples de cidade de interior, à beira da praia. 
Em terrenos generosos há espaço para plantar sonhos: piscina, para quem está disposto a investir e cuidar; pomar e horta, para aqueles que gostam do ar interiorano; quiosque, churrasqueira, jardins e pergolados. 
Notícia de hoje, no G1, é a fotógrafa mineira que largou a carreira na advocacia para trabalhar como fotógrafa em Paris. Vanessa Geraldeli trocou a carreira de advogada pelas lentes das câmeras, como foco no público brasileiro que escolhe a França como destino. Não é novidade. 
As pessoas vão e vêm, se e quando pretendem dar  rumo novo às suas vidas. 
Sou apenas mais um exemplo: este ano mudo para Itanhaém, concretizando um sonho planejado há três anos. O empregador é o mesmo, falta apenas sair a publicação no diário oficial. 
Uma filha ficou em Ibiúna; outra escolheu Valinhos, no Interior de São Paulo e a caçula optou por Maceió, em Alagoas, para onde se mudou há pouco: cada uma viu possibilidades novas em um lugar diferente.
Não há preço para ser feliz: no meu caso, fruta no pé, flores para alegrar o dia e o mar à porta de casa. 
Qual o seu sonho? 
Vanessa Geraldeli, fotografia, França, Paris, Torre Eiffel (Foto: Arquivo Pessoal/ Vanessa Geraldeli)Seja leal. Respeite os direitos autorais. 
Faça uma visita aos blogs. Terei prazer em recebê-lo. Seja um seguidor. Para acompanhar as publicações, clique na caixa “notifique-me”:
Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week!
Maria da Glória Perez Delgado Sanches

HAVE YOU THOUGHT OF EVERYTHING TO START AGAIN? GIVE A NEW TOWARDS YOUR LIFE? Paris, beach or countryside? Or a combination of options? I met many people who have decided to give new direction to their lives, have better quality of life in ...
¿Has pensado en todo para empezar de nuevo? DAR UN NUEVO HACIA SU VIDA? París, la playa o en el campo? O una combinación de opciones? Conocí a muchas personas que han decidido dar un nuevo rumbo a su vida, tener una mejor calidad de vida en ...

Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG