PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Ainda há tempo: Exposição "Modos de vestir na belle époque carioca"


A Fundação Casa de Rui Barbosa (FCRB) inaugurou, no dia 8 de agosto, às 17 horas, a intervenção museológica "Modos de vestir na belle époquecarioca".
A exposição tem a intenção de apresentar a diversidade das formas adotadas pelo vestuário de moda entre os anos 1900 e 1914 no Rio de Janeiro. Para povoar os diferentes ambientes do Museu Casa de Rui Barbosa, foram imaginados personagens com índole, caráter social e localização temporal próprios, em situações forjadas como "ensaios de figurino" realizados por professores e alunos dos cursos de Bacharelado em Artes Visuais (habilitação em Figurino e Indumentária) e de Tecnologia em Produção de Vestuário da Faculdade SENAI/CETIQT.

Ao longo do percurso expositivo, diferentes modalidades da prática do figurino podem ser apreciadas. Na área íntima estão expostas peças com caráter naturalista, confeccionadas com tecidos semelhantes aos usados no início do século XX, em uma proposta mais próxima dos produtos audiovisuais. Nas áreas social e de trabalho, a vertente é mais autoral e alegórica, com roupas construídas exclusivamente em papel. A área final, composta pela sala de jantar, sala de almoço e área de serviço, abriga figurinos criados sob a ótica da criação teatral, inspirados na peça "A Capital Federal" de Artur Azevedo.
O porão acolhe uma mostra dos processos de pesquisa, concepção e desenvolvimento das peças criadas especialmente para esta exposição, em registros visuais e textos que explicam as etapas e as diferentes dimensões do figurino.
"Modos de vestir na belle époque carioca" apresenta trajes masculinos, femininos e infantis que dialogam com o espaço em que estão dispostos tanto no sentido estético quanto no funcional. A decoração e o uso de cada cômodo se refletem no corte, nas formas, nas cores e nos materiais das peças expostas, demonstrando as principais influências do período em relação às escolhas estéticas e comportamentais da sociedade carioca.
A intervenção estará aberta ao público até o dia 8 de novembro nos seguintes horários: 3ª a 6ª, das 10h às 18h; sábados, domingos e feriados, das 14 às 18h e toda última terça-feira do mês até às 20h. A entrada custa R$2,00 (menores de 10 anos e maiores de 65 anos não pagam ingresso) e é franca aos domingos.



Maria da Glória Perez Delgado Sanches

Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ.

Conheça mais. Faça uma visita blogs disponíveis no perfil: artigos e anotações sobre questões de Direito, português, poemas e crônicas ("causos"): http://www.blogger.com/profile/14087164358419572567
Pergunte, comente, questione, critique.
Terei muito prazer em recebê-lo.
Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG