PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

terça-feira, 16 de agosto de 2016

MORRE ELKE MARAVILHA, A ÚNICA. O LEGADO FICA: É NOSSO.

Liberdade, pluralidade. Palavras que melhor definem a encantadora, despojada e marcante Elke.


NA INFÂNCIA, A CAMPONESA

     Há os que, pelo estilo extravagante, comparam-na com Lady Gaga. Erram.

     Elke não foi apenas a personagem de si.....
mesma.

      Foi um ícone: sincera, culta, original. Elke. Maravilha.


     Nascida na Rússia, filha de mãe alemã, de origem nobre, pai russo, imigrou com a família para o Brasil aos seis anos, fugindo do campo de concentração na Sibéria (seu pai era prisioneiro político). 

     A guerra uniu seus pais - uma relação até então improvável - e a guerra trouxe a família ao Brasil, país escolhido para viver entre e como os brasileiros. Para que fossem todos brasileiros.

     Viveu uma vida camponesa durante sua infância e adolescência, quando seu pai, a maior figura de sua vida - um sábio -, preparou-a para viver, pela observação da natureza e seus ensinamentos.


GOSTOU? NÃO GOSTOU? COMENTE. SEMPRE É POSSÍVEL MELHORAR


A TRADUTORA

     Falava nove idiomas: russo, português, alemão, italiano, espanhol, francês, inglês, grego e mesmo latim. 

     Aos 20 anos partiu para o Rio de Janeiro, sozinha, onde trabalhou como secretária bilingue, trilingue, bancária e bibliotecária para pagar seus estudos, o aluguel do apartamento e se manter.

     Concluiu a faculdade de Letras, formou-se professora e foi tradutora e intérprete de línguas estrangeiras durante quatro anos: a mais jovem professora de francês da Aliança Francesa e de inglês, na União Cultural Brasil-Estados Unidos.


Obrigada pela visita!

QUER RECEBER DICAS? SIGA O BLOG. 

A APÁTRIDA

     Em 1971, durante a ditadura militar, foi presa no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, por desacato: enquadrada na Lei de Segurança Nacional, porque rasgou  cartazes com a fotografia do filho de sua amiga Zuzu Angel, Stuart Angel Jones, torturado e morto pelo regime, e gritava "covardes, como ousam, vocês já o assassinaram!"

     Presa, perdeu a nacionalidade brasileira, o que a fez apátrida, condição com a qual conviveu durante anos, até requisitar a cidadania alemã, única que possuía.

     Ficou seis dias no DOPS, na era Médici; seu pai, seis anos na Sibéria, em campo de extermínio, sob o regime de Stalin.

     Amava o Brasil. Sempre amou. O país foi a redenção de sua família, o porto seguro, a ressurreição. 

     Talvez pelas histórias sua e de sua família tenha dado tanto valor ao fato de "ser brasileira" e se indignado quando frente à indiferença.


A BELA, A JURADA, A PERSONAGEM

     Muito alta, bela, loira natural, jamais pensou em seguir carreira artística. 

     Entretanto, justamente por ser "muito alta, bela, loira natural" e possuir um carisma incrível, vieram os convites para as carreiras de modelo e manequim, aos 24 anos. Trabalhou com grandes estilistas, ganhou notoriedade e abandonou as aulas. 

     Nesse ambiente conheceu a estilista Zuzu Angel (acima referenciada), sua grande amiga, interpretada no filme de mesmo nome pela atriz Patrícia Pilar - o papel de Elke coube a Luana Piovani.

     Foi então atriz e jurada de programas de calouros por muitos anos, talvez a mais popular de todos, conhecida até hoje por seu estilo irreverente e chamativo, fortemente caracterizado por perucas e vestes extravagantes.  

     Amou demasiadamente (oito casamentos, inúmeros namorados), viajou muito, viveu incansavelmente. 

     Optou entretanto por jamais ter filhos. Seu legado é, pois, de todos nós. 

     Descanse em paz, Elke. Somos agradecidos por sua espontaneidade, seu carisma, seu exemplo de vida.

Seja leal. Não copie, compartilhe.
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Respeite o direito autoral.
Gostou? Clique, visite os blogs, comente. É só acessar:

BELA ITANHAÉM

TROCANDO EM MIÚDOS

"CAUSOS": COLEGAS, AMIGOS, PROFESSORES

GRAMÁTICA E QUESTÕES VERNÁCULAS
PRODUÇÃO JURÍDICA
JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (O JUIZADO DE PEQUENAS CAUSAS)

e os mais, na coluna ao lado. Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.
Um abraço!
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week! 

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches
Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG