PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

CEPAL e UNICEF recomendam enfrentamento da pobreza infantil indígena na América Latina

CEPAL e UNICEF querem combate dos países à pobreza infantil indígena

“Investir na superação da pobreza infantil indígena é uma obrigação estatal básicapara implementar os direitos da infância e adolescência e para garantir a sobrevivência e contribuição dos povos indígenas na América Latina, disseram a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF). A afirmação foi feita no   Boletim Desafios N° 14, que registra os avanços dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) referentes à infância e adolescência na região latino-americana e caribenha.
“Nós não podemos compreender a pobreza...
das crianças indígenas sem considerar o empobrecimento sistemático ao qual seus povos forma submetidos”, disse o artigo central do boletim.
De acordo com dados dos censos da década de 2000, 88% dos indígenas menores de 18 anos na América Latina têm alguma forma de privação, em comparação com 63% da população geral da mesma faixa etária. Na descrição do boletim da CEPAL e do UNICEF, 65% das crianças sofrem privação de habitação grave e 19% de privação de habitação moderada; 51,8% sofrem de ausência severa de saneamento e 30,5% não tem acesso a água potável. Cerca de 6,3% das crianças indígenas de 7 a 18 anos veem gravemente violado o seu direito à Educação, pois não tiveram acesso ou abandonaram a escola. A privação da educação para crianças não indígenas representa 1,9%.
“Essas desigualdades estão intimamente ligadas às desigualdades regionais. Povos indígenas estão localizados em maior proporção em áreas rurais, onde o acesso aos serviços básicos e a oferta de bens e serviços do Estado é mais pobre”, explica o boletim.
Alguns avanços foram feitos, pois no Equador, México e Panamá, a privação da educação infantil indígena em 2010 caiu entre um terço e a metade em comparação com as cifras observadas em 2000. No entanto, dados referentes à moradia e água nesses três países são menos favoráveis. Nos últimos 10 anos, essas carências diminuíram, mas a redução foi maior em crianças não indígenas.
Fonte: Rádio ONU. Veiculado em 14-11-2012.
Blogue parceiro, cadastrado. Ao reproduzir, cite a fonte. 
Maria da Glória Perez Delgado Sanches

Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ.

Conheça mais. Faça uma visita blogs disponíveis no perfil: artigos e anotações sobre questões de Direito, português, poemas e crônicas ("causos"): http://www.blogger.com/profile/14087164358419572567
Pergunte, comente, questione, critique.
Terei muito prazer em recebê-lo.
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great weekend!

Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG