PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Sindicato dos Jornalistas, UNIC Rio e parceiros premiam melhores reportagens sobre população negra

Vencedores do Prêmio Jornalista Abdias Nascimento (Foto: Felipe Siston / UNIC Rio)
A noite da última segunda-feira (12/11), no Teatro Oi Casa Grande, no Rio de Janeiro, exaltou o jornalismo que destaca as lutas dos negros brasileiros e o combate ao preconceito. A segunda edição do Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento consagrou oito trabalhos, de diferentes estados do País, entre 170 inscritos.
Na categoria televisão, a vencedora foi Luciana Barreto. Junto com sua equipe, a jornalista realizou a matéria Caminhos da Reportagem: Negros no Brasil – Brilho e Invisibilidade, veiculada na TV Brasil. ”Quando a gente compilou os números (para a matéria), percebemos que a realidade era muito dura. Tivemos que pensar em como não fazer as pessoas chorarem em casa”, conta Luciana.
Na mesma categoria, Miriam Leitão e Claudio Renato receberam...
menção honrosa pelo trabalho A arqueologia da escravidão- Cemitério dos Pretos Novos e Cais do Valongo, da GloboNews. “Foi um reportagem emocionante de fazer. Chamei historiadores negros, jovens, que pudessem contar a chegada dos negros pelo Valongo”, lembra Miriam. “Todos os trabalhos que estão na disputa são muito bons”, completa.
Na Mídia Impressa, os vencedores foram Antônio Gois e Alessandra Duarte, com a matéria Desigualdade em trabalhos iguais, de O Globo. O texto revela as diferenças salariais no mercado de trabalho em função da cor da pele a partir de dados do IBGE. “Negros ganham menos do que brancos e mulheres ganham menos do que homens, inclusive no jornalismo”, atesta Gois, expondo o reflexo do preconceito que foi retratado em números na reportagem.
A noite de entrega dos prêmios reservou uma surpresa para o professor e jornalista Muniz Sodré. Ele recebeu uma placa do Prêmio Abdias por sua contribuição no combate ao racismo e em prol da diversidade cultural. “Abdias Nascimento se arriscou para garantir o protagonismo do negro na sociedade brasileira,  foi a palavra da libertação e da afirmação do negro na sociedade brasileira”, afirma Sodré.
O evento foi finalizado com a participação do também jornalista Heraldo Pereira, que falou da longa caminhada contra o preconceito. O show de encerramento foi estrelado por Tia Surica com participação especial da cantora Mariene de Castro.
O Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento é uma iniciativa da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-Rio), do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Município do Rio de Janeiro (SJPMRJ) e conta com o apoio do Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio).
Confira a lista dos vencedores da segunda edição do Prêmio Nacional Jornalista Abdias Nascimento:

Mídia Impressa

Antonio Gois e Alessandra Duarte, Desigualdade em trabalhos iguais, O Globo – RJ

Televisão

Luciana Barreto e equipe, Caminhos da Reportagem: Negros no Brasil – Brilho e Invisibilidade, TV Brasil – RJ

Menção honrosa

Míriam Leitão e Claudio Renato, A arqueologia da escravidão – Cemitérios dos Pretos Novos e Cais do Valongo, Globo News – RJ

Rádio

Nestor Tipa Junior, Quilombos urbanos, Rádio Gaúcha – RS

Especial de Gênero

Ed Wanderley, Negra é minha cor, Diário de Pernambuco – PE

Internet

Priscila Borges, UNB já formou mais de 1 mil universitários pelas cotas, Portal iG – DF

Mídia Alternativa ou Comunitária

Tatiana Félix, Karol Assumção, Natasha Pitts e Rogeria Araujo, Série Negros no Ceará: Redenção?, Agência Adital – CE

Fotografia

Nilton Fukuda, Excluídos pelo Crack, O Estado de São Paulo – SP
Fonte: Rádio ONU. Veiculada em 14-11-2012.
Blogue parceiro, cadastrado. Ao reproduzir, cite a fonte.

Maria da Glória Perez Delgado Sanches

Membro Correspondente da ACLAC – Academia Cabista de Letras, Artes e Ciências de Arraial do Cabo, RJ.

Conheça mais. Faça uma visita blogs disponíveis no perfil: artigos e anotações sobre questões de Direito, português, poemas e crônicas ("causos"): http://www.blogger.com/profile/14087164358419572567
Pergunte, comente, questione, critique.
Terei muito prazer em recebê-lo.
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great weekend!
Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG