PLANTANDO DÁ, SIM

RECICLAR É PRECISO

RECICLAR É PRECISO
RECICLAR É PRECISO. O MAIS, SERÁ PRECISO? Viver com alegria é viver em paz e harmonia. É olhar com a alma, observar com o coração, agir em conformidade com a natureza. Somos tanto mais necessários quanto mais úteis, em equilíbrio com o todo. Somos um; você sou eu e tudo o que o afeta, afeta a mim, também.

VOCÊ ENCONTROU O QUE QUERIA? PESQUISE. Nas guias está a matéria que interessa a você.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.

TENTE OUTRA VEZ. É só digitar a palavra-chave.
GUIAS (OU ABAS): 'este blog', 'blogs interessantes', 'só direito', 'anotações', 'anotando e pesquisando', 'mais blogs'.

VAMOS LÁ! CLIQUE PARA SEGUIR!

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

"CONVERSA COM AS PLANTAS": ELAS ENTENDEM. ESPECIALMENTE AMEAÇAS.


Dizem de quem conversa com as plantas, que é meio doido - ou está no caminho de sê-lo. No convívio diário com elas, de examinação e esquadrinhamento, saber e depois suprir...

Dizem de quem conversa com as plantas, que é meio doido - ou está no caminho de sê-lo. Aqui se conversa, se briga e elas respondem.

No convívio diário com plantas, tempo dedicado de examinação e esquadrinhamento, saber e depois suprir necessidades, afastar pragas e manter regas, é natural que nos tornemos íntimos.

Dizer que não nos entendem porque não respondem com palavras é, no mínimo, ignorância e disso tenho exemplos vários.


SEJA LEAL. NÃO COPIE, COMPARTILHE.

Lá em Ibiúna uma grumixama, de copa redondinha como se à tesoura fosse desenhada, por artista conhecedor do ofício, verdejava o ano inteiro sem nunca botar flor ou fruto (é evidente!). Foi que foi até que o Roberto ameaçou: "Ou este ano ela dá fruta ou tá acabada. Passo o machado!"

Errado não estava, porque a danadinha ocupa espaço que outra poderia aproveitar melhor. Retribuindo.
Foi chegar a primavera para que carregasse de flores e, a partir daquele ano, produzisse cerejas vermelhas e doces, mais do que bastavam.

A coisa se repetiu com o pé de caqui. Caquizeiro que não dava notícia de a que veio, depois de ameaçado foi fruto suculento para todos nós e quem mais viesse. 


GOSTOU? COMPARTILHE

Aqui em Itanhaém as vítimas foram os pés de amora silvestre. Com a retirada de um deles concordei. 

Afinal, arbusto espaçoso que só e repleto de espinhos, qual roseira brava, representava perigo para as crianças que viessem nos visitar, no passeio entre as árvores. Já bastam as laranjeiras, limoeiros e os pés de pitaia, estas guardadas nos pneus.

O pé que remanesceu, junto ao sombreiro e o pergolado de maracujá, ficou escondidinho até que o Roberto reclamou, semana passada: "Essa coisa cheia de espinhos não ia embora?" 

- Vamos dar uma chance pra ela. Só até a primavera.

A primavera chegou e a amoreira respondeu com cachos de flores, que visito todos os dias, encantada, sinal de próximas frutas, pelas quais, anos atrás, quase despenquei de um barranco para colhê-las. Não estas, futuras, mas aquelas, de antanho, de quando a Fanny era pequena e novidadeira. Fruta de mato, com sabor de brincadeira, deixa saudades que só novas frutas, encontradas no mato, conseguem matar.

Na linha de fogo entrou a pitangueira e o pé de cherimoia: esta, muita flor e pouco fruto. Pouquíssimo, a despeito do tamanho já despropositado. Problema no cruzamento? Bastou o ultimato para amanhecer com frutos nos galhos, pendurados como preciosas miniaturas de Natal.

A pitangueira há dois anos vem fazendo a alegria nossa, dos amigos e dos passarinhos. Onde cai uma semente, nasce outro pé, que cresce rapidinho (e arranco, dou, invento: afinal, não há mais espaço no quintal louco que criei). 

O visado da vez é o pé de laranja lima. Semente cuspida por alguém antes de virmos para cá, deixou um mísero pé mirradinho e abafado no jardim, sob as flores e folhas do que havia no entorno, trinta centímetros se tanto.

Transplantado, cuidado e acompanhado, cresceu e se desenvolveu mais do que os primos, que ainda fininhos carregam de frutas, todas as estações, fazendo duvidar que aguentem o peso despropositado. Preguiçoso, observa, sem gratidão. 

Dei-lhe poda drástica este ano, tirando tudo o que era de broto ladrão, furtador de energia como sangue-suga. Se identifico mais um ramo verde, reto e flexível, risco do mapa. Minha parte, fiz.


DEIXE SEU COMENTÁRIO. SEMPRE É POSSÍVEL MELHORAR

 

Gostou? Comente, compartilhe, inscreva-se para receber publicações.

Não gostou? Comente. Seu comentário ajudará a mim e àqueles que lerão o texto depois de você.

Me redimo de qualquer deslize, agradeço e tentarei ser melhor, da próxima vez. 


 Obrigada pela visita!

QUER RECEBER DICAS? SIGA O BLOG. 

SEJA LEAL. NÃO COPIE, COMPARTILHE.
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS
Respeite o direito autoral.
Gostou? Clique, visite os blogs, comente. É só acessar:

CHAPÉU DE PRAIA

MEU QUADRADO

"CAUSOS": COLEGAS, AMIGOS, PROFESSORES

GRAMÁTICA E QUESTÕES VERNÁCULAS
PRODUÇÃO JURÍDICA
JUIZADO ESPECIAL CÍVEL (O JUIZADO DE PEQUENAS CAUSAS)

e os mais, na coluna ao lado. Esteja à vontade para perguntar, comentar ou criticar.
Um abraço!
Thanks for the comment. Feel free to comment, ask questions or criticize. A great day and a great week! 

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches
Postar um comentário

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.

DÊ UMA CHANCE PARA SEUS SONHOS. DA CIDADE GRANDE PARA A CASA NA PRAIA, COM UM GRAAAAAANDE TERRENO.
Ser feliz é uma opção e você é livre para viver a vida. Escolha seu sonho. Vale a pena.

QUEM SOU EU

Minha foto

Da capital, já morei entre verde e bichos, na lida com animais e plantas: anos de injeção, espinho de ouriço, berne, parto de égua e curva de nível, viveiros, mudas, onde encontrei tempo para lecionar inglês, alfabetizar adultos e ler livros, na solidão do mato. 

Paixões se sucederam e convivem até hoje: Contabilidade, Economia, Arquitetura (IMES, MACK), a chácara e, afinal, o Direito (FDSBC, cursos e pós graduações). No Judiciário desde 2005, planto, replanto, reciclo, quebro paredes, reconstruo, estudo, escrevo e poetizo, ao som de passarinhos, que cantam nossa liberdade.

Não sou da cidade, tampouco do campo. Aprendiz, tento captar o que a vida oferece, para que o amanhã seja melhor. Um mundo melhor, sempre.

Agora em uma cidade mágica, em uma casa mágica, na qual as coisas se transformam e ganham vida; mais e mais vida. Minha cidade-praia-paraíso, Itanhaém.

Nesta casa de espaços amplos e um belo quintal, que jamais é a mesma do dia anterior, do minuto anterior (pois a natureza cuida do renovar a cada instante o viço, as cores, flores, aromas e sabores) retomei o gosto pelo verde, por releituras de espaços e coisas. Nela planto o que seja bom de comer ou de ver (ou deixo plantado o que Deus me trouxe), colho, podo, cozinho os frutos da terra, preparo conservas e invento pratos de combinações inusitadas, planejo, crio, invento, pinto e bordo... sonho. As ideias brotam como os rebentos e a vida mostra-se viva, pulsante.

Aqui, em paz, retomo o fazer miniaturas, componho terrários que encantam, mensagens de carinho representadas em pequenas e delicadas obras. 

Muito prazer! Fique à vontade, passeie um pouco: questões de Direito, português, crônicas ("causos"), jardinagem e artesanato. Uma receita, uma experiência nova, um redescobrir. 

Pergunte, comente, critique, ok? A casa é sua e seu comentário será sempre bem-vindo.

Maria da Gloria Perez Delgado Sanches

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

MARQUINHOS, NOSSAS ROSAS ESTÃO AQUI: FICARAM LINDAS!

ARQUIVO DO BLOG